| Por Estela Ataíde | Fotografia Akihiro Yoshida

Oki Sato

"Penso em design 24 horas por dia"

1 de 3

Um autêntico furacão criativo, Oki Sato foi veloz a abandonar o estatuto de jovem promessa do design mundial e a assumir o lugar de um dos mais reconhecidos designers da atualidade.

Quando, em 2002, abriu no Japão o estúdio de design Nendo (que em japonês significa algo como plasticina), Oki Sato definiu imediatamente a forma como iria trabalhar daí em diante: com flexibilidade e em constante evolução. Desde então, ao longo destes 13 anos, o designer viu a sua criatividade reconhecida por vários prémios e pela presença das peças Nendo em diversos museus, entre os quais o Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova Iorque e o Centre Pompidou, em Paris.

Contando no currículo com parcerias com marcas como Louis Vuitton, Walt Disney, Issey Miyake, Cappellini, Puma e Tod’s, com quem desenvolveu diversas colaborações, Oki Sato e o seu estúdio estão longe de abrandar o ritmo: em 2014 foram lançados mais de 100 produtos novos com assinatura Nendo e os projetos continuam a multiplicar-se a um ritmo surpreendente.    

Formou-se em arquitetura. O que o levou a mudar de rumo e começar a desenhar produtos e mobiliário?

Para mim, o design tem como função resolver coisas, encontrar novas soluções. Além disso, tem muito a ver com o tipo de história que se pode encontrar por detrás de um objeto. Para mim é tudo o mesmo.

 

Está a pensar voltar para o mundo da arquitetura, certo?

Penso que estamos preparados para voltar para a arquitetura porque temos mais conhecimento e mais competências em campos diferentes. Acho que primeiro devemos começar no Japão porque efetivamente precisamos de controlar toda a fase de construção e cada detalhe. É uma escala completamente diferente de mobiliário e objetos, mas continua a ter muito a ver com as emoções e a história das pessoas. Também é esta a forma como quero conceber arquitetura.

 

A Nendo lançou mais de 100 produtos em 2014. Não tem receio de que possa ser demais de uma vez? Que possa "desgastar" a assinatura do estúdio em termos de design?

Acredito que, quando trabalhamos em domínios muito diversos, eles influenciam-se uns aos outros. É uma forma de não nos focarmos em determinadas coisas e de sermos capazes de encontrar ideias novas dentro de projetos diferentes. O motivo pelo qual trabalho em tantos projetos é porque sinto que quanto mais produzir mais criativo consigo ser. Quantas mais ideias conseguir aplicar, maior será o fluxo criado que me torna capaz de encontrar ideias novas.

 

Tem trabalhado com algumas das marcas mais famosas a nível mundial, como Louis Vuitton, Tod’s e Walt Disney. Como consegue manter a sua assinatura como designer quando trabalha com marcas com a sua própria assinatura visual forte?

Para mim, o papel do design é o mesmo independentemente de serem marcas famosas ou não. Trabalho com o que é oferecido. A chave é chegar a esse ponto, essa perceção importante: Por que é que ninguém pensou nisto antes? O meu objetivo não é ser um chef de primeira classe que trabalha com ingredientes escolhidos, selecionados. Considero-me o "dono de casa" engenhoso que pode preparar um ótimo prato utilizando tudo o que possa existir no frigorífico.

 

E quais são os seus "ingredientes" favoritos?

Especiarias. As especiarias são fundamentais, especialmente no design japonês. Utilizo as especiarias de design para criar uma relação entre objetos e pessoas com humor ou surpresa na nossa vida quotidiana. Funcional, simples e agradável, são estas as três especiarias principais.

 

Em que está atualmente a trabalhar que o deixe especialmente entusiasmado?

Todos os projetos me entusiasmam. Neste momento, estou a trabalhar em 400 projetos. Nos últimos meses temos estado focados na Expo em Milão, mas vamos abrir algumas lojas em Tóquio bem como lojas de cosmética, de óculos e lojas de departamento. Vamos mudar-nos para o escritório novo e lançar o café Nendo, um tipo de coffeshop. Depois disso, este outono teremos duas exposições individuais. Muitos projetos a decorrer.

 

Quantos designers estão neste momento na sua equipa?

É uma equipa de aproximadamente 30 designers, incluindo estagiários. Mas temos sido cerca de 30 nos últimos três anos.

 

O que deseja para a Nendo?

Estou concentrado no que estou a fazer neste momento. Estou muito feliz por ser capaz de criar coisas e continuar a trabalhar como designer. Nunca tinha pensado em ser um designer assim, ou que me conseguiria manter no negócio durante 13 anos, porque é um negócio difícil, por isso é fantástico que eu ainda seja um sobrevivente. Estou muito feliz por ser capaz de criar coisas e continuar a trabalhar como um designer.

 

Qual é o segredo para sobreviver num negócio tão difícil? O que o distingue a si e ao seu trabalho dos outros?

Não sei... talvez adorar aquilo que faço. Sou viciado em design. Penso em design 24 horas por dia e gosto mesmo muito de design. Entrego-me completamente a cada projeto. É verdadeiramente entusiasmante.